Morre George Michael aos 53 anos

“É com grande tristeza que podemos confirmar que o nosso amado filho, irmão e amigo George faleceu pacificamente em casa durante o Natal”, disse o representante do músico, em um comunicado.

“A família gostaria de pedir que a sua privacidade seja respeitada neste momento difícil e emocional.”

Cantor britânico George Michael, que ficou famoso nos anos 1980 como integrante do duo Wham! e, mais tarde, manteve o sucesso na carreira solo, morreu aos 53 anos, informou um representante do artista citado por agências de notícias. A causa não foi divulgada.

De acordo com a polícia britânica, uma ambulância fez um atendimento médico em Goring, no condado de Oxfordshire às 13h42 de Londres (15h42 no horário de Brasília). Os agentes disseram que não há circunstâncias suspeitas relacionadas à morte do cantor.

Fonte: G1

foto-de-arquivo-mostra-george-michael-em-2011-foto-reutersstefan-wermuthfile-photo

Nascido Georgios Kyriacos Panayiotou em 1963, Michael criou o Wham! com o amigo Andrew Ridgeley em 1982. O duo lançou seu álbum de estreia, “Fantastic”, no ano seguinte e, a partir de então, popularizou hits como “Careless whisper”, “Last Christmas”, “Wake me up before you go-go” e “Everything she wants”.

O sucesso levou os artistas a fazerem, em 1985, o primeiro show de música pop ocidental na China.

george-michael-wham

Michael criou o Wham! com o amigo Andrew Ridgeley em 1982

A dupla se separou em 1986, quando Michael iniciou uma bem-sucedida carreira solo, em um dueto com Aretha Franklin na música “I knew you were waiting”.

playlist-yt-barra-superior

Ele lançou “Faith”, seu primeiro álbum solo, em 1987.

Entre os hits mais conhecidos da fase solitária da carreira, estão “Freedom! ’90”, “One more try” e “Father figure”.

george-michael-1990

Veja, abaixo, reportagem da GloboNews sobre os 50 anos do artista

Nas quase quatro décadas de carreira, Michael vendeu mais de 100 milhões de álbuns. Sua popularidade nos anos 1980 e 90 se traduziu em vários prêmios, entre eles três Brit, um MTV e oito indicações ao Grammy, ganhando duas vezes.

Wham - Last Christmas.jpg

O cantor é considerado o artista britânico mais reproduzido nas rádios até 2004. Em 1991, ele se apresentou na segunda edição do Rock in Rio, no Maracanã.

playlist-yt-barra-superior

Seu último lançamento, o álbum ao vivo “Symphonica”, saiu em 2014.

Neste mês, a imprensa internacional noticiou que o artista estava trabalhando em um novo disco com o produtor e compositor Naughty Boy.

george-michael-em-show-de-sua-turne-symphonica-em-viena-em-2012-foto-reuters-heinz-peter-bader-file-photo

George Michael em show de sua turnê “Symphonica” em Viena, em 2012. (Foto: REUTERS/Heinz-Peter Bader/File Photo)

Internações e polêmicas

Michael já estampou várias capas por escândalos com drogas. O músico foi condenado a oito semanas de prisão em setembro de 2010 após ter protagonizado um incidente em julho do mesmo ano ao chocar seu veículo contra uma loja de Londres.

Antes, já havia sido proibido de dirigir por cinco anos após ter conduzido um veículo sob efeito de drogas, e por portar maconha.

playlist-yt-barra-superior

Em maio de 2014, o cantor passou por uma internação de uma semana por causas não reveladas à época.

Ele foi atendido por duas ambulâncias em sua mansão do norte de Londres depois que um amigo acionou os serviços de emergência.

Em maio de 2013 precisou receber tratamento hospitalar após sofrer um acidente de trânsito pelo qual teve que ser levado de helicóptero ao hospital quando seu carro colidiu e ele bateu a cabeça. No final de 2011, o astro pop teve pneumonia, que o manteve várias semanas internado em Viena, e quase morreu.

George Michael, em imagem de 1993, durante show em Londres (Foto: Foto: AP)

George Michael, em imagem de 1993, durante show em Londres (Foto: AP)

Orientação sexual

Em abril de 1998, Michael foi preso por “ato obsceno” num banheiro de Los Angeles, enquanto estava acompanhado de um homem. Depois do episódio, ele acabou com anos de especulação sobre sua sexualidade e anunciou ser gay.

Antes disso, contudo, Michael teve namoros com mulheres. Uma delas foi a atriz Brooke Shields (“A lagoa azul”). Em sua autobiografia, ela dá detalhes do relacionamento, segundo o site Huffington Post. Brooke teria cogitado, inclusive, perder a virgindade com o cantor. “Minhas roupas estavam praticamente caindo de meu corpo”, comentou ela em entrevista ao programa “The Talk”, em julho do ano passado. Michael, no entanto, terminou o namoro, sob o argumento de que precisava se concentrar na própria carreira.

george-michael-2010

Repercussão

A morte do cantor repercutiu entre artistas brasileiros e internacionais na noite deste domingo. “Eu estou profundamente chocado. Perdi um amado amigo – o mais gentil, com mais generosa alma e brilhante artista. Meu coração vai com a família dele e todos os seus fãs”, escreveu Elton John.

“Mais dor e saudade pra um coração… que ano”, tuitou Maria Rita. “Eu não acredito que George Michael morreu. Um de meus cantores favoritos… foi muito cedo”, disse a atriz e cantora Victoria Justice em sua página na rede social.

george-michael

Veja repercussão completa sobre a morte do artista

Liam Gallagher, cantor

“É melhor não ser verdade sobre George Michael”, pediu o cantor em seu Twitter.

Maria Rita, cantora

“Mais dor e saudade prum coração… que ano”, disse Maria Rita em seu Twitter

playlist-yt-barra-superior

George Michael

 george-michael-hd-wallpapers
Informação geral
Nome completo Georgios Kyriacos Panayiotou
Γιώργος-Κυριάκος Παναγιώτου
Nascimento 25 de junho de 1963
Londres,  Inglaterra
 Reino Unido
Data de morte 25 de dezembro de 2016 (53 anos)
Oxfordshire,  Inglaterra
 Reino Unido
Nacionalidade Inglaterra inglês
 Reino Unido
Gênero(s) Pop, R&B, dance pop, pop rock, blue-eyed soul
Instrumento(s) Vocal, multi-instrumentista
Período em atividade 1981 – 2016
Outras ocupações cantor, músico, produtor musical, arranjador
Gravadora(s) Columbia, DreamWorks, Virgin, Epic, Sony
Afiliação(ões) Wham!
Página oficial http://www.georgemichael.com/

‘Heal the pain’

Segunda-feira, 26/12/2016, às 15:11, por Zeca Camargo para o G1

“I went back home, got a brand new face, for the boys on MTV”. Eu era um deles – um dos caras da MTV. O ano era 1991, George Michael estava no palco do Maracanã naquela segunda (e não menos histórica) edição do Rock in Rio. E eu cantava aquela música tão forte que era como se fizesse parte do “backing vocal” – o coral que sempre acompanham grandes artistas em grandes shows. E esse era um grande show, de um grande artista – uma memória estupenda da passagem pelo Brasil da estrela maior que perdemos ontem, em pleno Natal.

Vou poupar você do triste balanço musical de 2016 – outros obituários certamente já terão feito isso. Bowie, Prince, Cohen, George Michael – uma lista dolorosa (e que é ainda maior do que essa), um testamento musical de um ano que foi terrível de mais de uma maneira… Mas enfim, deixe-me concentrar no ídolo que se despediu ontem – ao que tudo indica, pelas notícias que foram liberadas, morreu de maneira tranquila, em sua casa em Londres, a cidade onde eu tive o privilégio de entrevistar George Michael uma vez.

Como já contei aqui mesmo neste espaço, foi encontro no outono (londrino) de 1998. George, que depois do sucesso estratosférico no final dos anos 80 da sua carreira solo (que já vinha de outro sucesso estratosférico com o Wham! ao longo daquela década) e início dos 90, desapareceu da mídia – muito em função do “escândalo” de ter sido preso num banheiro público em Los Angeles. A entrevista, concedida a apenas três televisões no mundo – Reino Unido, Japão e Brasil –, seria uma espécie de retorno do cantor.

A essa altura ele já estava preparado para discutir abertamente sua homossexualidade – e o Brasil certamente foi escolhido para ser um dos países com os quais George Michael queria falar em consideração a seu companheiro brasileiro, com quem ele viveu um forte romance, que terminou em 1993 quando ele morreu por complicações relacionadas à Aids. Mas sobretudo ele queria falar de música, da vida sobre os holofotes, de família e de amor. E eu, claro, mal podia acreditar que estava finalmente diante de um ídolo.

Enquanto esperava por ele, inevitavelmente me lembrei da minha primeira tentativa de entrevistá-lo – justamente em 1991, quando era então um dos “garotos da MTV”. Nada havia sido marcado. George Michael era sim um dos maiores artistas do planeta e nem a MTV americana – que muito nos ajudou naquele festival (foi por conta dela que conseguimos falar com vários superstars da época, como Axl Rose, por exemplo) – estava conseguindo falar com ele.

Lá fui eu então, naquela manhã, fazer uma tímida tentativa na piscina do hotel Copacabana Palace. Visivelmente tímido, tentei me aproximar de George Michael – que tomava seu sol ali na pérgola – com uma modesta camiseta da nossa MTV para presenteá-lo e quem sabe assim convencê-lo de falar com a gente. Preciso dizer que não cheguei nem a dez metros de distância dele? Dois – talvez três – seguranças vieram em minha direção e me interceptaram sem cerimônia, dizendo que “Mr. Michael” não gostaria de ser incomodado, mas que eles certamente fariam com que aquela camiseta – hoje, um clássico a ser resgatado: branca com a bandeira do Brasil inserida no logo da MTV – chegaria até as mãos do cantor. Até parece…

Sete anos passariam até que finalmente eu pudesse encontrá-lo – e ter o prazer de conhecer de perto a mente fascinante que criou tantos sucesso. Eu não era mais um “garoto da MTV”, claro, mas “o cara do ‘Fantástico’ ” – um dos programas mais populares da TV no Brasil, o país do grande amor de sua vida.

Num hotel que era um dos mais caros e bonitos de Londres na época (The Hempel), tínhamos uma suíte enorme toda montada para o “circo” da mídia. Câmeras, luzes, diretores, assessores de imprensa – todo aquela parafernália com a qual eu me acostumei ao longo de tantos anos cobrindo show businesses. O tamanho de todo o aparato, porém, contrastou drasticamente com a simplicidade do cantor – a ponto de deixar este experimentado repórter que vos escreve ligeiramente desarmado.

Seu romance com o brasileiro foi um dos primeiros assuntos – como se ele quisesse falar logo sobre isso, mostrar o quanto sentia saudades de seu companheiro, quanto era grato pela família dele que o acolheu, o quanto toda essa história significou para ele. Assim, ele poderia abrir caminho para que a conversa se concentrasse sobre o que realmente o interessava: a música e o bizarro mundo da celebridade.

Esta entrevista está em algum lugar dos arquivos do “Fant” – e espero um dia poder revê-la aqui na internet (minhas buscas para encontrá-la até o momento em que escrevo isso foram em vão). Mas sentei-me hoje cedo para escrever este texto – quem nem é exatamente um obituário – não para lembrar de tudo que falamos “verbatim”, ou seja, palavra por palavra. O que quero que fique registrado é o fascínio de ter estado perto de um artista que… bom, desculpe o clichê, daqueles que parece que não surgem mais hoje em dia: daqueles capazes de jorrar músicas originais e brilhantes, imediatamente reconhecíveis em qualquer lugar do mundo, com um dom de produzir letra e canção que se alojam de maneira “indeletável” da sua memória. Quantos artistas que apareceram no século 20 são capazes disso – não apenas de cantar sucessos, mas de compor cada um deles, com a precisão de um joalheiro?

Sim, Lady Gaga – é a resposta óbvia. Mais de uma vez citei essa artista maior (em vários textos) como a verdadeira sucessora de astros como Elton John e George Michael. Outros intérpretes brilhantes – de Beyoncé a Justin Timberlake – explodem em sucessos, mas que são, muitas vezes, esforços coletivos, um subproduto do fragmentado universo pop que habitamos hoje (o que não diminui nem um pouco o valor desses “hits”, mas são, você há de reconhecer, uma outra espécie de composição).

Mas com essa despedida de George Michael – e, sim, de Bowie, de Prince, de Cohen – a gente fica sem mais um artista daqueles verdadeiramente originais. Que estava tranquilo com sua trajetória – nem parecia que estava a fim de estender sua carreira muito além daquele período áureo. Naquela entrevista de 98, ele me disse que talvez só tivesse mais um ou dois álbuns originais para oferecer – antes que encerrasse sua carreira, numa modéstia rara de se ver no show business… Ao mesmo tempo, parece que ele estava trabalhando em cima de algum material inédito para ser lançado em 2017… Quem sabe?

Fato é que, com um conjunto da obra como a de George Michael, nada praticamente precisa ser acrescentado. O “garoto da MTV” sabe quase todas de cor – como milhões de pessoas no mundo todo (você inclusive). E de tantos versos e coros sensacionais que ele então deixou, eu resgato este da música que dá título ao post de hoje, pra encerrar não sem uma nota de tristeza essa homenagem:

“Do something for me

Listen to my simple story

And maybe we’ll have something to show”

Sim, está no primeiro verso de “Heal the pain” – uma das minhas músicas favoritas de George Michael. Que, tenho certeza, não vai sair da minha cabeça pelas próximas horas, num passeio gelado que vou dar pelas ruas da cidade fria que estou agora – longe do Brasil, mas perto de uma comunidade muito maior que a gente geralmente se refere apenas como “pop”, mas que hoje, sei lá por qual motivo, eu quero chamar de “música dos anjos”…

Anúncios


Categorias:Globo News, MÍDIAS NACIONAIS, MÚSICA, Pop Internacional, TODOS, TV Globo

Tags:, , , , , , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: