Lima Barreto – conhecendo o Rio real

“É chegada no mundo, escrevia em 1948, a hora de reformarmos a sociedade, a humanidade. Não politicamente, que nada adianta; mas socialmente, que é tudo”. Lima Barreto

fonte: pt.wikiquote.org

Um carioca mestiço que explorou em suas obras, as injustiças sociais e as dificuldades das primeiras décadas da República, Lima Barreto foi um escritor e jornalista brasileiro, que apesar de sofrer do mal do alcoolismo, deixou vasta obra.


[huzzaz id=”lima-barreto” vpp=”8″ height=”1100″]


lima-barreto-hospital-psiquiatrico-pedro-rio-de-janeiro-em-1919_643x1024

Lima Barreto no Hospital Psiquiátrico, em1919.

Informações biográficas de Lima Barreto

Data do Nascimento: 13/05/1881
Data da Morte: 01/11/1922
Morreu aos 41 anos

  • filho de pais pobres e mestiços sofreu esse preconceito por toda vida
  • logo cedo ficou órfão de mãe
  • estudou na Escola Politécnica, no curso de Engenharia
  • seu pai enlouquece e é internado, obrigando Lima Barreto a abandonar o curso de Engenharia
  • para sustentar a família, empregou-se na Secretaria de Guerra e ao mesmo tempo, escrevia para vários jornais do Rio de Janeiro
  • recebe severas críticas dos letrados tradicionais
  • explora em suas obras, as injustiças sociais e as dificuldades das primeiras décadas da República
  • com seu espírito inquieto e rebelde, Lima Barreto entrega-se ao álcool.

 

Afonso Henrique de Lima Barreto (1881-1922) nasceu no Rio de Janeiro no dia 13 de maio.

Filho de Joaquim Henriques de Lima Barreto e Amália Augusta, ambos mestiços e pobres. Sofreu preconceito a vida toda. Seu pai era tipógrafo e sua mãe professora primária. Logo cedo ficou órfão de mãe.

Lima Barreto novoLima Barreto estudou no Liceu Popular Niteroiense e concluiu o curso secundário no Colégio Pedro II, local onde estudava a elite litrária da época. Sempre com a ajuda de seu padrinho, o Visconde de Ouro Preto, ingressou na Escola Politécnica do Rio de Janeiro, onde iniciou o curso de Engenharia. Em 1904 foi obrigado a abandonar o curso, pois, seu pai havia enlouquecido e o sustento dos três irmão agora era responsabilidade dele.

Em 1904 consegue emprego de escrevente copista na Secretaria de Guerra, ao mesmo tempo que colabora com quase todos os jornais do Rio de Janeiro. Ainda estudante já colaborava para a Revista da Época e para a Quinzena Alegre. Em 1905 passa a escrever no Correio da Manhã, jornal de grande prestígio.

Em 1909 Lima Barreto publica o romance “Recordações do Escrivão Isaías Caminha”. O texto acompanha a trajetória de um jovem mulato, que vindo do interior sofre sérios preconceitos raciais. Em 1915 escreve “Triste Fim de Policarpo Quaresma”, e em 1919 escreve “Vida e Morte de M.J.Gonzaga de Sá”. Esses três romances apresentam nítidos traços autobiográficos.

Com uma linguagem descuidada, suas obras são impregnadas da justa preocupação com os fatos históricos e com os costumes sociais. Lima Barreto torna-se uma espécie de cronista e um caricaturista se vingando da hostilidade dos escritores e do público burguês. Poucos aceitam aqueles contos e romances que revelavam a vida cotidiana das classes populares, sem qualquer idealização.


A obra prima de Lima Barreto, não perturbada pela caricatura, foi “Triste Fim de Policarpo Quaresma”. Nela o autor conta o drama de um velho aposentado, O Policarpo, em sua luta pela salvação do Brasil.

Afonso Henriques Lima Barreto com seu espírito inquieto e rebelde, seu inconformismo com a mediocridade reinante, se entrega ao álcool. Suas constantes depressões o levam duas vezes para o hospital.

Em 01 de novembro de 1922 morre de um ataque cardíaco.


Lima BarretoObras de Lima Barreto

  • Recordações do Escrivão Isaías Caminha, romance, 1909
  • Aventuras do Dr. Bogoloff, humor, 1912
  • Triste Fim de Policarpo Quaresma, romance, 1915
  • Numa e Ninfa, romance, 1915
  • Vida e Morte de M. J. Gonzaga e Sá, romance, 1919
  • Os Bruzundangas, sátira política e literária, 1923
  • Clara dos Anjos, romance, 1948
  • Coisas do Reino do Jambon, sátira política e literária, 1956
  • Feiras e Mafuás, crônica, 1956
  • Bagatelas, crônica, 1956
  • Marginália, crônica sobre folclore urbano, 1956
  • Vida Urbana, crônica sobre folclore urbano, 1956

fonte: www.e-biografias.net

Lima Barreto, um escritor brasileiro

 

 



Categorias:LIVROS

Tags:, , , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: