Christino Cabral – Documentário

EEPSG Christino Cabral

R. Gerson França, 19-165

Jardim Estoril – Bauru / SP

CEP 17016-000

Fone. (14) 3223.2384 – Centro de Línguas (14) 32274664

  • 1.400 alunos na escola
  • 400 alunos no Centro de Línguas
  • 40 salas de aula
  • do 6º ano ao 3º colegial
  • sala de informática
  • sala de artes
  • sala de ciências
  • auditório
  • biblioteca

( Esse documentário foi produzido para um outro projeto de espaço virtual, chamado Baurunet, também desenvolvido por mim, e agora, vem agregar conteúdo aqui na Bauru TV, no programa Cidadania Estudantil. 

reportagens e edição Paul Sampaio

christino-cabral-documentario

>Nome: Maria Helena Catini

>Profissão: Diretora de Escola

>Empresa: EEPSG Prof. Christino Cabaral

>Área de Atuação: Educação e Política

>Estado Civil: Casada

>Redes Sociais: Facebook

>Nome: Maria Denise

>Profissão: Professora

>Empresa: EEPSG Prof. Christino Cabral

>Área de Atuação: Educação

Impressões da Escola

A primeira escola dentro da seção ‘Documentário Ensino’ foi uma escolha difícil. Até chegar à decisão de fazer o Christino Cabral, eu pensei em várias outras instituições.

Em primeiro lugar , eu achei que a primeira escola deveria ser pública.

O ensino é a base da formação de uma pessoa. Em todos os sentidos.

Se além de dar escola para nossa população, déssemos também os melhores professores, bem qualificados, e a melhor estrutura disponível … já teríamos o Brasil como uma grande potência mundial. Temos território e gente mais que suficiente para isso.

Contudo, não basta apenas ter alunos matriculados e as estatísticas do analfabetismo caindo.

Não adianta nada se não estivermos capacitando nossos professores e os remunerando bem. Se não tivermos escolas com os recursos que os mestres precisam para seu trabalho.

A troca de política constante nos rumos da educação na história do nosso país, fez com que a reorganização do ensino necessitasse de um pouco mais do que a vontade política de nossos governantes.

A verdade é que a escola é uma responsabilidade, acima de tudo, da comunidade a que ela serve.

Enquanto as famílias dos alunos das escolas públicas não entenderem que eles têm o dever de participar do destino de suas escolas, a educação no país não vai mudar.

Os profissionais de ensino já estão cansados de tentar integrar as famílias dos alunos (na verdade só pedem aos pais, para participarem), e nunca consiguiram mudar o pensamento de ninguém.

Todo mundo corre de uma reunião de pais e mestres. Não dão importância alguma para as atividades da escola, e depois ainda reclamam da direção por causa disso e aquilo, quando muitas vezes, abdicam de suas vezes como pais e educadores em suas próprias casas.

Por causa disso tudo, é que pensei nesse projeto.

Na verdade essa seção da revista será em breve uma ponte para um projeto maior: um site para os estudantes de Bauru. Gostaria de colaborar na integração desses jovens, e acho que essa, será uma boa maneira.

E a internet é uma ferramenta perfeita para isso. Através da inclusão digital, acredito que muitas mudanças positivas serão feitas na nossa educação.

E o Chistino era a escola certa para começar todo esse trabalho.

Uma escola pública com uma história belíssima na cidade. Sempre à frente em melhorias e conquistas para sua instituição. E uma diretora bastante enérgica.

Quando soube do fato de a Maria Helena ser filiada a um partido, eu não mudei de ideia em relação à escolha. Muito menos, quando soube de sua reputação de mulher forte, ativa e considerada por alguns, enérgica até demais com seus alunos.

Quis ir lá conferir. E gostei do que ví.

Em minha opinião existem dois tipos de diretora de escola pública: aquela que manda, e a que não manda nada. Não tem meio termo.

Lidar com crianças, adolescentes e adultos na escola pública brasileira é trabalho para gigantes. Critica à toa quem não conhece a realidade.

Enxerguei na diretora Maria Helena Catini, uma mulher apaixonada pelo que faz. E acreditei nela, além de concordar, quando durante a entrevista, ela disse que o segredo do educar está em disciplinar com amor. Às vezes, é difícil pra gente entender a bronca. Mas muitas vezes, é somente ela que é capaz de nos trazer de volta ao caminho certo.

Visitei o Christino Cabral, e encontrei uma escola pública que funciona. E bem.

E encontrei uma juventude saudável e cheia de esperança.

Buscava com esse projeto, ajudar a integrar estudantes.

E saí logo da primeira incursão, com a forte impressão de que, quem foi ajudado fui eu.

 Paul Sampaio

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s